segunda-feira, 6 de junho de 2011

SABEDORIA DE NAPOLEÃO

A mensagem abaixo, apesar de já bastante divulgada na internet, é muito interessante para reflexão dos responsáveis por montar, gerenciar e liderar equipes de trabalho. Foi coletada da revista eletrônica Administrador de 29/05/11:
Comenta-se que Napoleão Bonaparte categorizava os soldados de sua tropa em quatro grupos:
·                        Os inteligentes com iniciativa;
·                        Os inteligentes sem iniciativa;
·                        Os ignorantes sem iniciativa;
·                        Os ignorantes com iniciativa.
Aos inteligentes com iniciativa, Napoleão dava as funções de comandantes gerais, estrategistas. Os inteligentes sem iniciativa ficavam como oficiais que recebiam ordens superiores e as cumpriam com diligência. Os ignorantes sem iniciativa eram colocados à frente da batalha – buchas de canhão, como dizemos. Os ignorantes com iniciativa, Napoleão não gostava e não queria em seus exércitos.
Esse “achado” de Napoleão serve também para qualquer empresa. Será que também não temos em nosso “exército napoleônico”, que é a empresa de hoje, esses três tipos de “soldados”? E não serão todos necessários?
Pense bem. Um exército só de generais estrategistas por certo não vencerá batalha alguma. Alguém tem que estar no front. Obedientes oficiais (diretores, gerentes) sem estratégia também não vencem uma guerra. Soldados (funcionários) dedicados, sem comando, sem chefia, sem direcionamento, também não trazem sucesso à batalha. Portanto, precisamos dos três tipos de soldados para vencer uma batalha, assim como dos três tipos de colaboradores para que possamos vencer os desafios do mercado competitivo em que vivemos.
Mas, assim como Napoleão, devemos nos livrar, o mais rapidamente possível, dos ignorantes com iniciativa. Um ignorante com iniciativa é capaz de fazer besteiras enormes. Um ignorante com iniciativa faz o que não deve, fala o que não deve e até ouve o que não deve. Um ignorante com iniciativa nos faz perder bons clientes, bons fornecedores. São os ignorantes com iniciativa que fazem produtos sem qualidade porque resolvem alterar processos definidos. Um ignorante com iniciativa é, portanto, um grande risco. Não precisamos dele. Nem Napoleão os queria.
Há duas principais lições que devem ser tiradas deste texto.
Primeiro, a necessidade de criar equipes com multiplicidade de habilidades e características.   Equipes com pessoas muito similares, ao contrário do que muitos pensam, não trazem uma sinergia e boa distribuição de tarefas.  Na realidade, podem haver conflitos entre os interesses, e podem ficar lacunas nas possibilidades de trabalho do grupo.
Segundo, que a iniciativa por si só não é uma característica positiva.  Ela deve vir “integrada” com outras características importantes, como conhecimento e integridade.  Caso contrário, graves erros podem ocorrer.